terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Editorial / A irritante desfaçatez dos corruptos

A irritante desfaçatez dos corruptos

Citações daqui, apontamentos dali. Nomes que aparecem em delações, personagens que negam envolvimento. Como já dissemos aqui, basta prender para se obter depoimentos reveladores. E como a Justiça não está brincando, deve ser esse o temor de Michel Temer, Aécio Neves, Luiz Inácio Lula da Silva e de outros.

Temer terá de depor à PF, respondendo a perguntas por escrito. A defesa do presidente solicitou ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin que o mesmo suspenda o depoimento até o fim da perícia de uma gravação que consta no processo. O pedido foi negado.

A tentativa de “enrolação” se dá também porque há um temor de que Rodrigo Rocha Loures seja preso e venha a fazer acordo de delação premiada. Ex-assessor especial do presidente Michel Temer, Loures vinha exercendo o mandato de deputado porque Osmar Serraglio (PMDB-PR) estava ocupando o cargo de ministro da Justiça. Após a saída do ministério, Serraglio voltou à Câmara e Loures, à condição de suplente.

De outro lado, a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva tenta insistentemente atrasar o andamento do processo. Na semana que passou, os advogados do ex-presidente apresentaram um recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, contra a decisão do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, que negou um pedido para realização de perícia, tomada de novos depoimentos e apresentação de documentos na ação que investiga o triplex do Guarujá. O Ministério Público Federal diz que o imóvel serviu para a OAS pagar propina a Lula.

O recurso é o segundo no mesmo sentido apresentado pela defesa de Lula nos últimos dias ao TRF4. No anterior, de 29 de maio, a defesa recorreu contra decisão de Moro que negou apuração de suposta falsidade em documentos usados no processo.

Em campanha antecipada, Lula afirma que já provou sua inocência e que “a palhaçada tem de acabar”. Provou? Não estamos sabendo. Aliás, todos são inocentes, não é mesmo?

O Aécio Neves que dizia não ter relações amigáveis com os irmãos Batista, afirmou em público que procurou Joesley para pedir empréstimo pessoal. Que liberdade é essa, senhor? Difícil imaginar uma cena dessas com alguém que não se tenha boas relações.

A cada palavra dita por qualquer um dos envolvidos nesses esquemas de corrupção dá dor nos olhos ou nos ouvidos, com tanta mentira contada.

Se fossem inocentes não estariam com tanto medo de revelações de Eduardo Cunha, Rodrigo Rocha Loures e tantos outros. Se não querem que esses personagens falem sobre o esquema é porque com certeza estão metidos até o pescoço no esquema de corrupção.

Sobre Da Redação

Leia também

PSDB: as ações contradizem os discursos

Trágica e ao mesmo tempo hilária. Assim é a crise política brasileira. Desde que se …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe!