domingo , 20 Maio 2018
Home / Brasília / Animais do Zoo de Brasília retornam à natureza
Duas jiboias que eram tratadas pela Fundação Jardim Zoológico de Brasília puderam retornar à natureza/ Foto: Tony Winston-Agência Brasília

Animais do Zoo de Brasília retornam à natureza

Depois de tratados e avaliados como aptos a voltar à vida livre, 32 animais  foram soltos pelo Ibama

Foi preciso viajar 200 quilômetros até a área onde agora viverão Cláudia Raia e Marines. As duas jiboias foram tratadas pela Fundação Jardim Zoológico de Brasília durante alguns anos. Nesta quinta-feira (13), puderam retornar à natureza.

A ação foi coordenada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ocorreu em uma área particular cadastrada como área de soltura, em Goiás.

Além das duas cobras, o órgão devolveu à natureza um porco-espinho, uma família de saruê, dois tucanos e outra variedade de pássaros. Foram soltos 32 animais.

No caso das cobras, um funcionário do zoológico acompanhou a missão. A ideia, segundo o assessor de Conservação e Pesquisa da fundação, Igor Morais, é dar auxílio no manejo dos répteis e checar se o comportamento deles está de acordo com o habitual.

Acompanhamento pós-soltura dos animais

Uma equipe do Ibama permanece em Goiás para checar se os bichos não ficarão próximo de onde foram deixados e se estão se adaptando à vida livre. Quando isso não ocorre, eles são reencaminhados ao zoológico ou entregues a criadores autorizados.

Isso é necessário porque, depois de muito tempo em cativeiro, diversos animais não conseguem sobreviver procurando comida na natureza e se defendendo de predadores. No caso dos répteis, o processo é mais simples, já que são altamente instintivos, não vivem em grupo e não aprendem com a mãe a caçar.

Cláudia Raia e Marines, por exemplo, chegaram ao zoo em 2013 e 2016, respectivamente. Ambas tinham problema de saúde. A mais velha, que hoje mede 1,74 metro, foi levada à fundação por uma equipe da Polícia Militar Ambiental e precisou tratar uma lesão na pele.

Depois de anos em cativeiro, elas foram avaliadas antes de serem soltas para ver se ainda tinham habilidade para caçar. O procedimento, segundo Morais, consistiu em soltar roedores vivos no recinto e verificar se as cobras estavam indo atrás da presa.

Uma terceira cobra, que seria solta com a dupla, não foi considerada apta para a vida livre, pois não conseguia engolir o alimento. Ela vive no zoo desde 2004.

Falta de áreas disponíveis para a soltura

O Zoológico de Brasília abriga atualmente cerca de 120 animais aptos para soltura. O que dificulta o processo é a falta de áreas preservadas.

Segundo o superintendente do Ibama no DF, Antônio Wilson Pereira da Costa, na maior parte das vezes, o órgão precisa viajar para fora do Distrito Federal, onde já não há tantas áreas para colocar os bichos em segurança.

Para que uma área particular seja classificada como de soltura, é preciso que o proprietário procure o instituto e se cadastre. Uma equipe vai até o local e checa os tipos de espécies que podem ser soltas ali e se o espaço tem água, comida e é seguro. Ele deve ficar longe de áreas residenciais. “Precisamos ter todo o cuidado para não desequilibrar o ecossistema.”

Por isso, é imprescindível que a saúde do animal esteja boa e ele não tenha nenhum tipo de vírus, por exemplo. Além disso, cada lugar só pode abrigar espécies naturais da região.

Zoológico ganhou novas moradoras

Com a despedida de Cláudia Raia e Marines, o zoo recebeu duas novas jiboias, desta vez amazônicas. Elas foram apreendidas e levadas ao local pelo Ibama. Os animais não poderiam ser soltos aqui e ainda não há condições de levá-las ao lugar de origem.

 

 

(Agência Brasília)

Sobre Da Redação

Leia também

indústria automobilística

Brasil cria mais 115.898 empregos formais

No acumulado do ano, já são mais de 336 mil novos postos de trabalho nas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe!