domingo , 17 dezembro 2017
Home / Artigos / Entre a esperança e a desilusão

Entre a esperança e a desilusão

Como é de conhecimento, o Brasil nunca foi um país que sirva de exemplo quando se trata de moralidade no trato da coisa pública e no respeito do governante ao cidadão/contribuinte. A corrupção, o conluio e a apropriação indevida são marcas registradas da vida nacional desde o império, passando pela República, Estado Novo, governo militar e redemocratização.

Nos últimos 16 anos, porém, a começar com o primeiro mandato do ex-presidente Lula, o assalto ao estado e a apropriação do patrimônio público por entes privados atingiu um nível de abrangência nunca antes visto, tornando-se de tal forma entranhado no tecido governamental, com tamanha repercussão em toda sociedade, que nos levou a pensar que o país estava irremediavelmente perdido.

A desonestidade era a regra e a honradez e retidão de caráter um defeito. Contraditoriamente, poder-se-ia dizer, o processo que trouxe à luz todos esse estado de coisas, parecia ser, ao mesmo tempo, a solução do problema e o fim do tempo de espoliação do estado e de impunidade dos malfeitores – a Operação Lava-Jato.

Por momentos, viveu-se a ilusão de que o país iria ser “passado a limpo” passando a ser um país em que víssemos os impostos que pagamos ter a destinação justa em proveito da população e o desaparecimento do político profissional, arcaico e egoísta, que seria trocado por aqueles para quem servir o país seria uma espécie de trabalho voluntário, em que o que importaria seria o bem-estar geral e não a boa vida particular.

Porém, eis que, justificadamente, viu-se surgir no congresso uma denúncia feita pela Promotoria Geral contra o sr. Presidente e nos apercebemos que nada estava mudando. Tudo continuava e continua exatamente como antes.

As práticas clientelistas continuam as mesmas e a serem usadas com desenvoltura e sem qualquer constrangimento. O voto é usado como moeda de troca e a manutenção do poder, que, diga-se, foi conseguido por meios nada honestos, continua a justificar que se trate o tesouro nacional como propriedade privada e se distribua dinheiro segundo critérios espúrios e imorais.

E, o que pode ser o pior de tudo, deixa na boca de cada cidadão de bem um gosto amargo de que, efetivamente, não há esperança de redenção, e no homem de má-fé a tranquilidade para continuar com suas práticas de esperteza, que não tem o que temer.

As consequências sociais desse clima de desesperança podem ser tremendamente nocivas. As pessoas esquecem-se que a convivência social harmônica e pacífica pressupõe confiança e respeito mútuos.

Na ausência desses atributos, tudo passa a ser permitido, chegando-se, facilmente, a um estado de vale tudo e cada um por si. Exemplo marcante é o noticiado recentemente de que em São Paulo, empresas de assistência médica estavam usando as ambulâncias como táxis de luxo, com corridas rápidas a altos preços, porque as ambulâncias têm prerrogativas especiais que lhes permite avançar sinais vermelhos, andar na contramão e terem preferência no trânsito.

Chegou-se ao extremo da incivilidade e da falta de respeito pelo próximo. A todos se engana e somos todos enganados. Num estado de coisas assim, cada vizinho é inimigo e cada irmão um traidor que precisa ser vigiado.

O país está doente! Um país onde não mais se percebe a diferença entre certo e errado, entre a busca de cada um pelo bem de todos e todos buscando seu bem pessoal. O país está muito doente… e a cura não parece estar próxima.

JOÃO MANUEL MARQUES CORDEIRO

Professor da Faculdade de Engenharia da Unesp de Ilha Solteira

Sobre Da Redação

Leia também

Na falta de virtude cívica de políticos, só nos resta a esperança

Trabalhar para o bem comum, perseguir o interesse público, servir à população honestamente e defender …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe!