segunda-feira , 20 agosto 2018
Home / Destaque da capa / Recursos públicos, artistas locais
recursos públicos
Projeto é uma demanda do setor cultural/Foto: Rinaldo Morelli/CLDF

Recursos públicos, artistas locais

A  Câmara Legislativa do DF aprova Projeto de Lei que visa valorizar e reconhecer as expressões culturais locais

A participação de artistas locais deverá obedecer ao mínimo de 20% em eventos culturais e artísticos custeados com recursos públicos. Projeto (PL nº 2.063/2014) com este objetivo foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Legislativa do Distrito Federal.  “As expressões culturais locais devem ser valorizadas e reconhecidas, em especial quando o financiamento for feito com recursos arrecadados no DF”, argumentou o autor, deputado Joe Valle (PDT).

O relator da matéria na CCJ, deputado Prof. Israel Batista (PV), considerou que a proposta se insere no rol das ações públicas afirmativas. Israel acrescentou que o projeto, além de ser uma demanda do setor cultural, traduz uma preocupação com o artista regional e com o estímulo à diversidade da música regional. O texto obteve o voto favorável dos deputados que participaram da reunião – Prof. Reginaldo Veras (PDT), Israel Batista (PV), Rodrigo Delmasso (Podemos) e Júlio Cesar (PRB).

Consumidor

A CCJ aprovou ainda  a Lei Geral de Defesa do Consumidor no âmbito do DF (PL nº 791/2015). A matéria, aprovada pela Comissão de Defesa do Consumidor (CDC) em agosto, é da deputada Sandra Faraj (SD). Complementar ao Código de Defesa do Consumidor (Lei Federal nº 8.078/1990), o projeto trata sobre as relações de consumo que se realizam especificamente no DF.

A parlamentar lembra que, conforme o artigo 55 da Constituição Federal, o DF tem capacidade concorrente com a União para legislar sobre o tema, o qual, segundo a autora, necessita de atualização e adequação às peculiaridades do DF.

São considerados serviços essenciais, sob a proteção da legislação do DF, o tratamento e o abastecimento de água; a produção e a distribuição de energia elétrica, de gás e de combustíveis; a captação e o tratamento de esgoto e coleta de lixo; a assistência médica e hospitalar; a distribuição e a comercialização de medicamentos e de alimentos; os funerários; os de telecomunicações; o processamento de dados ligados a serviços essenciais, os de correio, os de atendimento e compensação bancários e o transporte coletivo. A Lei Geral trata ainda sobre a continuidade da prestação dos serviços e as práticas abusivas. “É reconhecido que o consumidor é a parte mais fraca na relação de consumo”, defendeu Faraj.

Sobre Da Redação

Leia também

Trampa

Rock Trampa lança álbum com orquestra sinfônica

Em novo trabalho, grupo brasiliense faz releitura de diversas canções da carreira em formato acústico …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe!