domingo , 22 julho 2018
Home / Veículos / Novo Honda Civic Si: motor turbo e câmbio manual

Novo Honda Civic Si: motor turbo e câmbio manual

Fotos: Caio Mattos (Divulgação) / Guilherme Silva (WR-V)

Baseado na décima geração do carro global da Honda, a versão adota a motorização turbo pela primeira vez na sua história

O novo Honda Civic Si chega ao Brasil importado do Canadá para aquecer o restrito mercado de esportivos no país. O modelo desembarca por aqui com preço sugerido de R$ 159.900 apenas na configuração cupê com câmbio manual de seis marchas e sem opcionais.

Baseado na décima geração do carro global da Honda, a versão adota a motorização turbo pela primeira vez na sua história.

O Civic Si ficou conhecido pela boa dirigibilidade combinada aos motores naturalmente aspirados que entregavam todo o seu potencial a altas rotações. Nesta geração, o esportivo leva sob o capô uma versão melhorada do propulsor 1.5 turbo com injeção direta da variante Touring.

Com uma turbina maior operando a 1,4 bar de pressão, o motor gera 208 cv de potência a 5.700 rpm e 25,6 kgfm de torque entre 2.100 e 5.000 rpm (35 cv e 4,1 kgfm a mais que no Touring).

A Honda não informa os dados de aceleração e velocidade máxima, mas diz que a proposta purista do Civic Si está mais focada na experiência ao volante do que entregar números estonteantes de desempenho.

Além do motor mais potente, o Civic Si recebeu outras alterações mecânicas em relação à versão “civilizada”, como suspensões com amortecedores adaptativos, barras estabilizadoras e molas mais firmes, freios redimensionados e até mesmo um modo de condução esportivo que permite explorar melhor o potencial do carro em pistas fechadas.

Visual

Na parte visual, o para-choque dianteiro com grandes tomadas de ar e aparência invocada, as portas maiores e o teto rebaixado entregam a vocação esportiva do Si. Na traseira do cupê, o aerofólio sobre a tampa do porta malas de 334 litros e a ponteira de escape centralizada reforçam o visual intimidador.

Os faróis full-LED com acendimento automático, que dão um toque de sofisticação, são exclusivos do carro vendido no Brasil.

A cabine segue um padrão de acabamento parecido com o das versões nacionais, mas com alguns detalhes exclusivos. A cor preta que predomina no ambiente desde o revestimento do teto, contrasta com o vermelho das costuras do tecido dos bancos e da iluminação do painel digital.

Guiamos o novo Civic Si durante algumas voltas no autódromo Velo Città, em Mogi Guaçu (SP), ambiente propício para levar o carro próximo ao seu limite dinâmico. Mas antes de falar como ele se comporta na pista, vale lembrar que o cupê manteve a boa ergonomia dos antepassados das últimas duas gerações.

Os bancos dianteiros em formato de concha com regulagem manual e encostos de cabeça integrados apoiam bem o corpo em curvas, mas o revestimento de tecido não é tão agradável quanto a camurça sintética do Civic Si de oitava geração, fabricado no Brasil entre 2007 e 2011.

Experiência ao volante

Por outro lado, o posicionamento dos instrumentos e o alinhamento dos pedais favorecem a experiência ao volante tão propagada pela Honda.

O teste no autódromo consistia em “perseguir” um endiabrado WR-V conduzido por um piloto profissional. O monovolume feito pela Honda para servir de pace car da etapa brasileira da Fórmula Indy recebeu freios e suspensões preparados, o câmbio manual de cinco marchas da versão de entrada do Fit, além de um turbocompressor que elevou a potência do motor 1.5 16V de 115 cv para ótimos 165 cv.

O teste no autódromo consistia em “perseguir” um endiabrado WR-V conduzido por um piloto profissional. O monovolume feito pela Honda para servir de pace car da etapa brasileira da Fórmula Indy recebeu freios e suspensões preparados, o câmbio manual de cinco marchas da versão de entrada do Fit, além de um turbocompressor que elevou a potência do motor 1.5 16V de 115 cv para ótimos 165 cv.

Com o modo esportivo acionado, a direção elétrica com pinhão duplo aponta a frente do carro com maior precisão, enquanto os amortecedores adaptativos ficam mais firmes. Mesmo com certo abuso nas frenagens nas entradas de curva, o cupê é estável, porém a eletrônica entra rapidamente em ação para controlar as escorregadas das rodas dianteiras.

O desempenho do novo motor turbo não chega a tirar o fôlego, mas ele responde melhor nas retomadas quando o giro é mantido perto das 3.500 rpm. O ótimo câmbio de engates curtíssimos e precisos também ajuda na hora de ganhar velocidade.

Esportivo com transmissão manual

Na pista, o Civic Si é divertidíssimo, mas resta saber como ele se sai no uso cotidiano. No geral, o cupê é o típico carro de nicho para quem valoriza muito a tocada de um esportivo com transmissão manual.

Além dessa aura purista, ele traz um bom pacote de equipamentos de série com seis airbags, controles de estabilidade e tração, ar-condicionado de duas zonas, central multimídia com tela sensível ao toque, espelhamento de smartphones e 10 alto-falantes, teto solar elétrico, chave presencial, rodas de 18 polegadas, freio de estacionamento eletrônico, câmera de visualização do ponto cego no retrovisor do lado direito (Lane Watch), sensor de chuva, entre outros.

Com garantia de três anos, o Civic Si está disponível nas cores azul, branco, preto e vermelho.

Custando R$ 160 mil, é inevitável a comparação do Civic Si com o Volkswagen Golf GTI de R$ 135 mil, que precisa adicionar dois pacotes de opcionais para atingir a barreira dos R$ 170 mil e se equiparar ao Honda em termos de equipamentos. Em compensação, o GTI é movido por um motor 2.0 turbo de 220 cv e câmbio automatizado de dupla embreagem. A escolha vai da preferência de quem pode pagar por eles.

Ficha técnica
Carroceria Monobloco em aço, três portas, cinco lugares
Motor Dianteiro, transversal, injeção direta, turbocompressor, duplo comando variável de válvulas na admissão e escape acionado por corrente, a gasolina
Número de cilindros 4 em linha
Número de válvulas 16 (quatro por cilindro)
Taxa de compressão 10,3:1
Cilindrada 1.498 cm³
Potência 208 cv a 5.700 rpm
Torque 26,5 kgfm entre 2.100 e 5.000 rpm
Transmissão Manual de seis marchas
Tração Dianteira
Direção Elétrica
Suspensão dianteira Independente McPherson com amortecedores adaptativos
Suspensão traseira Independente multibraços com amortecedores adaptativos
Pneus e rodas 235/40 R18, liga leve 18″
Freios dianteiros Discos ventilados com ABS e EBD (312 mm)
Freios traseiros Discos ventilados com ABS e EBD (282 mm)
Tanque de combustível 46,9 litros
Volume do porta-malas 334 litros
Altura 1,42 m
Comprimento 4,52 m
Largura 1,79 m
Entre-eixos 2,70 m
Peso em ordem de marcha 1.321 kg
0 a 100 km/h (estimado) 7,2 segundos
Velocidade máxima (estimada) 238 km/h

Sobre Da Redação

Leia também

Cabrio

MINI Cabrio estreia no Brasil no quarto trimestre

A marca britânica adiantou que em breve revelará mais informações para o mercado brasileiro, incluindo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe!