Presidente reduz avaliação negativa, enquanto Kalil e Zema continuam bem avaliados pelos eleitores da capital

A administração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reverteu o cenário de impopularidade na capital e hoje é avaliada de forma positiva pelos eleitores de Belo Horizonte. É o que mostra a segunda pesquisa DataTempo/Quaest na capital mineira. O governador Romeu Zema (Novo) e, principalmente, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) continuam bem avaliados.

Kalil

De acordo com os números do levantamento contratado pela Sempre Editora, a gestão de Alexandre Kalil manteve os 18% de avaliação “ótima” que havia obtido na pesquisa divulgada no último dia 5. O conceito “bom” oscilou de 45% para 44%. A avaliação regular positiva passou de 18% para 21% e, a regular negativa, de 6% para 7%. Os que consideram o governo ruim foram de 5% para 4%. Os que o apontaram como péssimo foram de 7% para 5%. Já os que não souberam ou não responderam são 2% (antes era 1%).

Quando se olha a avaliação agregada da administração de Kalil, ela é positiva para 62% dos eleitores (era 63%), é regular para 28% (era 24%) e é negativa para 9% (era 12%).

Zema

No caso da administração do governador, o índice de ótimo se manteve estável em 6%. Já a avaliação boa caiu de 33% para 29%. A avaliação regular positiva foi de 19% para 27% e regular negativa passou de 11% para 14%. Quanto a avaliação ruim, ela caiu de 12% para 7%. A péssima foi de 14% para 11%. Os que não souberam ou não responderam saíram de 6% para 5%.

No levantamento agregado, a avaliação positiva passou de 38% para 36%. A regular foi de 30% para 41%. A avaliação negativa caiu de 26% para 18%.

Bolsonaro

O eleitor de Belo Horizonte mudou de posição em relação a Jair Bolsonaro entre a pesquisa do dia 5 deste mês e a de agora. Embora a avaliação ótima tenha se mantido em 13% e a boa também tenha ficado estável em 25%, houve melhora na avaliação regular positiva, que foi de 11% para 17%.

A avaliação regular negativa oscilou de 10% para 11%. A ruim, por sua vez, foi de 10% para 9%. Enquanto isso, a avaliação de que a gestão no Palácio do Planalto é péssima passou de 31% para 23%. Os que não souberam ou não responderam são 2% (antes era 1%).

Com isso, no agregado, são 38% os que avaliam Jair Bolsonaro positivamente (mesmo índice do levantamento anterior), 28% os que consideram que a gestão é regular (eram 21%) e 32% os que veem o governo como negativo (eram 41%).

Satisfação com a vida

O eleitorado da capital está satisfeito com a vida atual que leva, e os índices mudaram pouco. Hoje, são 8% os eleitores que se consideram muito satisfeitos. Eram 9% no levantamento anterior. Além disso, 69% se consideram satisfeitos, mesmo índice do dia 5

O índice dos que estão insatisfeitos com a vida aumentou, dentro da margem de erro. Passou de 17% para 20%. Mas o dos que se dizem muito insatisfeitos oscilou para baixo: de 5% para 3%. Os que não souberam ou não responderam somam 1% (era 0% na pesquisa anterior).

A pesquisa

Apesquisa DataTempo/Quaest contratada pela Sempre Editora ouviu 1.000 eleitores entre 19 e 21 de outubro. A margem de erro é de 3,1 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. Registro: MG-06804/2020.

 

Por RICARDO CORRÊA

Jornal O Tempo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
7 × 20 =