Foto: Reprodução/Internet

Com os SUVs cada vez mais presentes nas garagens das famílias brasileiras, a Chevrolet Spin ainda resiste como a principal opção para quem precisa de um veículo de sete lugares

Lançada no mercado brasileiro há oito anos, a minivan chegou recentemente à linha 2021 com algumas novidades (e mais cara), mas será que ela compensa o investimento?

Não foi desta vez que a Spin trocou o veterano motor 1.8 aspirado por um moderno propulsor turbinado ou passou a oferecer airbags laterais e de cortina. No entanto, todas as versões agora são equipadas de série com assistente de partida em rampa e controles de estabilidade e tração.

A minivan ganhou também o alerta de não afivelamento do cinto de segurança do passageiro dianteiro e painel de instrumentos com grafismo do velocímetro atualizado para mais condizentes 180 km/h. A partir da versão LT automática, a Spin já conta com controle de cruzeiro.

Na configuração testada, a topo de linha Premier (parte de R$ 95.390), a minivan acrescenta faróis com acendimento automático e luzes de posição de LED, sensor de chuva, faróis de neblina, grade cromada, rodas de liga leve de 16 polegadas, bancos e volante revestidos de couro, computador de bordo, câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro, entre outros.

A central multimídia MyLink com tela de 7”, Bluetooth, Android Auto e Apple CarPlay é item de série desde a versão LT, mas ainda não oferece a conexão de internet 4G como nos modelos mais recentes da Chevrolet.

Adicionando a transmissão automática (R$ 4.200) e a pintura metálica prata Switchblade (R$ 1.600) do carro avaliado, a Spin Premier chega a custar salgados R$ 101.190, valor que a posiciona na faixa de preços dos SUVs compactos.

 

Por exemplo: um Chevrolet Tracker LT automático zero quilômetro sai por R$ 97.490 já contando a pintura metálica. O projeto mais moderno do SUV é contemplado com seis airbags (ante apenas os dois frontais obrigatórios da Spin), além da eficiente motorização 1.0 turbo de três cilindros de 116 cv de potência e 16,8 kgfm de torque.

Falando em motor, a Spin manteve na linha 2021 o polivalente 1.8 de 8 válvulas naturalmente aspirado, que entrega até 111 cv e 17,7 kgfm. Combinado ao câmbio automático de seis velocidades, esse propulsor “tira leite de pedra” ao fornecer desempenho condizente com a proposta da minivan e consumo bastante satisfatório.

Velocímetro teve a escala reduzida de 220 km/h para 180 km/h

Nos testes instrumentados do Instituto Mauá de Tecnologia, a Spin abastecida com gasolina chegou a fazer médias de 11,5 km/l na cidade e 17 km/l na estrada (veja o teste completo na tabela abaixo).

Nas provas de aceleração, a minivan precisou de 12 segundos para atingir os 100 km/h quando abastecida com etanol. Número razoável para um carro de 1.235 kg com centro de gravidade elevado e sem pretensões esportivas.

Por entregar seu torque máximo abaixo de 3.000 rpm, o antigo motor 1.8 até que é competente no uso diário na cidade. A calibração da caixa automática também colabora para uma condução tranquila e voltada à economia de combustível. Mas é na estrada que a Spin sente mais a falta do fôlego extra que um motor turbinado poderia proporcionar, situação em que o câmbio precisa intervir com reduções de marcha para embalar a minivan em retomadas. Ainda assim, ela passa a impressão de ser mais esperta que os SUVs equipados com motores aspirados abaixo de 2.0 litros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
4 × 6 =