Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Balanço anual confirma que as ações do Governo Federal beneficiam a população mais vulnerável

O relatório “O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Mundo”, publicado neste mês pela Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), da ONU, mostrou que o Brasil continua fora do Mapa da Fome. Isso significa que menos de 2,5% da população brasileira vive em situação de subnutrição. O resultado positivo evidencia que o conjunto de políticas públicas adotadas pelo Governo Federal tem atendido de maneira satisfatória as necessidades das pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social.

O Brasil vem empregando estratégias que combinam programas de transferência de renda e apoio à produção, abastecimento e acesso à alimentação. Entre as ações do Ministério da Cidadania, destacam-se os programas de Aquisição de Alimentos (PAA), de Cisternas e o de Fomento e Inclusão Produtiva Rural, que contribuem para melhoria dos índices de segurança alimentar e nutricional, e na ampliação das condições de produção, abastecimento, distribuição e consumo de alimentos adequados e saudáveis.

Brasil segue fora do Mapa da Fome, segundo levantamento da ONU

Menos de 2,5% da população brasileira vive em situação de subnutrição. – Foto: Divulgação/Ministério da Cidadania

Apesar dos bons resultados obtidos no relatório, existe a preocupação com as consequências provocadas pela pandemia de Covid-19. Para mitigar esses efeitos, o Governo Federal intensificou as ações de proteção aos mais vulneráveis, conforme explicou o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni: “Serão executados R$ 500 milhões no PAA para atender cerca de 150 mil agricultores, possibilitando a doação de alimentos saudáveis para entidades da rede assistencial que, em todo o País, atendem milhões de famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional. É parte da rede de proteção montada pelo governo por determinação do Presidente”.

O País também alcançou resultados positivos com o Auxílio Emergencial, que já beneficiou, direta e indiretamente, 125,4 milhões de pessoas – mais da metade da população brasileira. As cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1.200 reais fez com que não faltasse alimento nas mesas de milhões de famílias de todas as regiões do País, garantindo segurança alimentar e nutricional mesmo durante a grave crise provocada pela disseminação do novo coronavírus.

Além disso, foi sancionada, em junho, a Lei nº 14.016, que dispõe sobre o combate ao desperdício de alimentos. O texto autoriza estabelecimentos que atuem com produção e fornecimento de alimentos, incluindo os in natura, produtos industrializados e refeições prontas, a doarem o excedente que não foi comercializado, mas que ainda esteja próprio para consumo humano.

 

Com informações do Ministério da Cidadania

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
30 + 2 =