A passagem do Dia dos Professores, comemorado em 15 de outubro, foi lembrada pelos deputados distritais que discursaram em homenagem aos profissionais do ensino na sessão remota da Câmara Legislativa na tarde desta quinta-feira (15)

 

“Tudo o que eu sou, devo à educação”, afirmou a deputada Júlia Lucy (Novo), cuja mãe é professora vinculada à rede pública, revelando o sonho de “vir a dar aulas um dia”. A parlamentar argumentou ainda que somente por meio da educação será possível transformar o Brasil. “Precisamos respeitar e valorizar, inclusive financeiramente, essa profissão”, acrescentou.

Por sua vez, o presidente da CLDF, deputado Rafael Prudente (MDB), além de parabenizar a categoria pela data, anunciou que apresentou proposição tratando da prorrogação do prazo dos contratos de professor temporário que dão aula na rede pública, com vencimento previsto para 28 de janeiro próximo. “A ideia, seguindo a legislação em vigor, é que a prorrogação compreenda todo o ano de 2021, até a realização de um concurso público”, explicou, conclamando os colegas a apoiarem a iniciativa.

Já a deputada Arlete Sampaio (PT) fez um relato da atuação do Sindicato dos Professores (Sinpro).  “Acredito na ação coletiva e o Sinpro tem cumprido um papel essencial, não apenas na defesa de interesses corporativos, mas na defesa da educação pública, democrática e libertadora”, afirmou. Também destacou “o esforço das professoras e professores que estão trabalhando muito e se reinventando durante a pandemia”, bem como os esforços para atender alunos que não têm condições de acompanhar as aulas remotas.

O deputado Chico Vigilante (PT) fez sua homenagem contando casos da atuação dos profissionais de ensino em situações adversas, como no estado do Amazonas, onde são obrigados, muitas vezes, a viajar quatro horas de barco para levar material de ensino até os alunos. Mas, também lembrou de exemplos que vêm do Distrito Federal, salientando o projeto Caixinha de Conhecimento, desenvolvido no Sol Nascente.

Homenagem na prática

Atuando em alguns momentos como presidente da sessão desta quinta-feira, o deputado Iolando Almeida (PSC) dirigiu-se aos profissionais de ensino e, especialmente, à sua esposa que é professora do ensino especial. Enquanto o deputado Delegado Fernando Fernandes (Pros) exaltou os colegas parlamentares oriundos do setor educacional – deputados João Cardoso (Avante), Leandro Grass (Rede) e Prof. Reginaldo Veras (PDT). Ele ainda recordou que trabalhou como servente de obras e que o incentivo dos professores “foi definitivo para a minha formação superior”.

Para Fábio Felix (Psol), uma forma de a CLDF elogiar o desempenho dos professores, na prática, seria derrubando o veto do governador à parte da proposição que trata de aspectos da reforma previdenciária dos servidores públicos do DF. Uma nova alíquota (com maior desconto no contracheque) começa a valer em novembro próximo, embora os distritais tenham aprovado a entrada em vigor da cobrança somente em janeiro.

O deputado Leandro Grass concordou com a proposta de prorrogar o contrato dos professores temporários e de derrubada do veto sobre o início da alíquota, que também vem sendo tema de gestões da deputada Arlete Sampaio. Sobre sua profissão, afirmou que se sente “honrado”. E, ao mesmo tempo em que evidenciou práticas pedagógicas da rede pública de ensino do DF – “que estão entre as melhores do mundo” –, disse ser necessário “blindar o setor da educação da ingerência político-partidária”. Por fim, o deputado Prof. Reginaldo Veras, falando do Centro de Ensino Especial 2, na Ceilândia, declarou ter “orgulho de ser professor”.

Marco Túlio Alencar
Núcleo de Jornalismo – Câmara Legislativa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
27 − 16 =