Meirelles disputará o Senado

O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, resolveu retornar a política e se filiou ao PSD-GO, partido que ajudou a fundar. A ideia é ser candidato ao Senado por Goiás em 2022. Para quem não se lembra, Meirelles foi eleito em 2002 como deputado federal mais votado pelo  PSDB-GO com 183.046 votos. Detalhe: financiou a campanha com recursos próprios. Só que não chegou a assumir a vaga, pois aceitou convite do ex-presidente Lula para assumiu a presidência do Banco Central.

 

Alerta

“As Forças Armadas estão no aparelho de Estado e não estão dispostas a sair em 2022”. O alerta foi feito pelo ex-presidente do PT e ex-deputado federal José Genoíno, na TV 247. O petista recomenda que é decisivo recolocar as Forças Armadas debaixo do poder civil e eliminar a ideia de “lei e ordem” e de tutela.

 

BRB no azul

Literalmente no azul, o Banco de Brasília (BRB) teve um lucro líquido de R$ 456 milhões em 2020, o que representa um crescimento de 10,5% em relação a 2019. Apesar dos efeitos da pandemia na economia, é o maior resultado na história do banco. Segundo o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, o ano de 2020 foi desafiador para a instituição por conta da crise sanitária provocada pela Covid-19.

 

Fraga em silêncio

Para o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF), o momento é de analisar o quadro político para futuras decisões. Apesar de estar bem “silencioso” nos últimos meses, Fraga é visto como um excelente candidato a deputado federal em 2022. Há quem diga que se o ex-deputado partir para uma disputa o DEM tem chances de eleger até dois deputados federais no DF.

 

“Furioso”

A nomeação pelo presidente Jair Bolsonaro do deputado João Roma (PR-BA) para o ministério da Cidadania deixou o presidente do DEM, ACM Neto, “furioso”. É que o pretenso novo “painho” baiano se acha “dono” do destino político de João Roma. Coisas da Bahia.

 

Quem acredita?

Alguém acredita que o presidente do DEM, ACM Neto, ficará inimigo do presidente Bolsonaro em função da nomeação do aliado João Roma (Republicanos) para o Ministério da Cidadania?

 

Estudo

Apesar do governo e dos políticos não gostarem a ideia, um estudo da Made-Usp (Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da Universidade de São Paulo) tributar os mais ricos para ajudar os pobres ajudaria na recuperação econômica. Os números são claros: a tributação de apenas 1% dos mais ricos resultaria na transferência de R$ 125 mensais para os 30% mais pobres. O impacto positivo no PIB chegaria a 2,4%.

 

Vacina x arma

O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM) usou suas redes sociais para condenar a regulamentação dos decretos sobre a compra e flexibilização de armas assinados pelo presidente Jair Bolsonaro. E arrematou: “o povo não precisa de arma. Precisa de vacina”.

Sem vacinas

Em todo o Brasil, governadores e prefeitos fazem o possível para dar celeridade a vacinação contra o Covid-19. Só que encontram uma dificuldade quase que insuperável: a falta de vacinas, culpa do amadorismo ou má vontade do governo na compra de vacinas.

 

Nova aliança

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), acaba de fechar uma aliança com o prefeito de Iporá, Naiçotan Leite (PSDB). O novo acordo faz parte da estratégia de Caiado já visando as eleições de 2022. E mais: reforça a parceria que o governador tem feito com prefeitos em todo estado. A parceira só foi possível graças ao trabalho do deputado estadual Jeferson Rodrigues (Republicanos) e do senador Vanderlan Cardoso (PSD).

 

Fiasco à vista

O PSDB goiano está perdendo seus poucos quadros. A maior liderança, o ex-governador Marconi Perillo, mora e trabalha em São Paulo e não fala de política por telefone por medo de grampo. O resultado pode ser um fiasco em 2022.

 

Carlos Honorato
pontofinal@carloshonorato.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
27 × 7 =