Imagem de Ahmad Ardity por Pixabay

Para ajudar a aumentar o estoque do Hemocentro, em baixa nesta pandemia, a instituição mobilizou funcionários da sede e das unidades. A ação humanitária faz parte do projeto de promoção do voluntariado corporativo

As doações de sangue diminuíram em todo o país durante a pandemia de Covid-19. Mesmo diante dos desafios impostos pelo novo coronavírus, a demanda por transfusões continua e as doações são imprescindíveis. Uma única doação pode salvar até quatro vidas. Para estimular o gesto humanitário em seu quadro de colaboradores, a Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) recebeu uma unidade móvel de coleta do Hemocentro, nesta quinta-feira, 1º de outubro, na sede da instituição.

A ação contou com a participação de 55 doadores e faz parte do projeto de incentivo ao voluntariado corporativo, que visa o envolvimento dos colaboradores nas causas sociais e humanitárias. “Nós trabalhamos para fortalecer o voluntariado em Goiás e não podemos deixar de trabalhar essa cultura internamente. Escolhemos a doação de sangue por ter conhecimento da dificuldade enfrentada pelo Hemocentro neste momento”, frisa a gerente de Voluntariado e Parcerias Sociais, Larissa Guimarães.

hemocentro goiania

 (Foto: SES/GO)

“A pandemia não interrompeu os atendimentos nas unidades públicas de saúde. Muitas pessoas dependem de transfusão sangue, sem contar os atendimentos emergenciais relacionados a acidentes automotivos, transplantes e outros procedimentos. Para se ter uma ideia, nossa demanda média mensal está próxima de 3,8 mil bolsas de sangue”, diz a diretora-geral da Hemorrede Pública de Goiás, Denyse Goulart, ao pontuar que parcerias são importantes para melhorar os estoques do Hemocentro, que tem apresentado queda de aproximadamente 36% durante a pandemia.

A diretora-geral da OVG, Adryanna Melo Caiado, destaca que foi com este intuito que a Organização se empenhou em incentivar os funcionários a participar do gesto solidário. “Doar sangue é um ato de amor que salva muitas vidas. Por isso, abraçamos essa causa e agradecemos a colaboração de todos que tiraram um tempinho para ajudar ao próximo”, pontuou.

Analista administrativo, Natallie Pereira Mundim também atendeu ao chamado humanitário. “Infelizmente a pandemia afastou os doadores. Mas é importante cada um fazer sua parte. A equipe do Hemocentro toma todos os cuidados, é super seguro, é rápido, não dói nada e ajudamos a salvar vidas.”

Doação de Medula

Na oportunidade, o Hemocentro também cadastrou pessoas interessadas em fazer doação de medula óssea. O transplante é um tratamento indicado para pacientes com doenças de sangue, como leucemia, linfomas e alguns tipos de anemia. Para fazer o cadastro, é necessário ter entre 18 e 55 anos de idade; estar em bom estado geral de saúde; não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue.

Crédito da imagem: Aline Cabral

Comunicação OVG – Governo de Goiás

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
7 + 20 =