Pastas de Desenvolvimento Social e Trabalho estudam projetos para priorizar inscritos no Cadastro Único nos cursos de qualificação profissional

Carretas que vão de região em região certificando as pessoas com cursos profissionalizantes. Essa é uma das propostas fruto da reunião realizada, nesta terça-feira (2), entre a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha e o secretário de Trabalho, Thales Mendes.

Foto: Renato Raphael/Sedes

A iniciativa vai atender, prioritariamente, pessoas em situação de vulnerabilidade social inscritas no Cadastro Único. O Distrito Federal conta, atualmente, com cerca de 160 mil famílias cadastradas.

“São pessoas, muitas vezes, em busca de uma qualificação profissional para ter mais oportunidades no mercado de trabalho”, explica Mayara Noronha Rocha.

“Vamos estimular nas nossas unidades que as pessoas procurem os cursos de qualificação para já chegar com um diferencial na hora de disputar uma vaga”Mayara Rocha, secretária de Desenvolvimento Social

Ponte

O Cadastro Único é a ferramenta da política de assistência social responsável por ser a ponte para o ingresso em programas, serviços, benefícios e auxílios socioassistenciais, como o Cartão Prato Cheio, o Bolsa Família, o DF Sem Miséria e a Habilitação Social, entre outros.

“Conseguir um emprego mexe com a autoestima, principalmente dos jovens. Por isso, vamos estimular nas nossas unidades que as pessoas procurem os cursos de qualificação para já chegar com um diferencial na hora de disputar uma vaga”, afirma a secretária.

Microcrédito

Outra possibilidade é estimular as linhas de microcrédito para as pessoas inscritas no Cadastro Único que buscam o sonho de empreender. “O objetivo é fomentar o empreendedorismo. Ou seja, após a qualificação profissional, vem o incentivo para a geração de trabalho e renda”, destaca Thales.

Anualmente, a pasta conta com o Prospera. Um programa de crédito orientado com o objetivo de incentivar o crescimento e atender à necessidade financeira de microempreendedores do Distrito Federal, com linhas voltadas, por exemplo, para famílias do campo e para mulheres.

*Com informações da Sedes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
18 + 27 =