Ampliação da vacinação segue sendo o foco distritais, mas distritais voltaram a cobrar medidas para tornar mais eficiente o isolamento social no DF

Aumentar o número de leitos, garantir equipamentos de proteção individual (EPI) e os suprimentos nas unidades de saúde, estabelecer auxílios financeiros, inclusive para o setor produtivo, além de decretar medidas mais rígidas para evitar a circulação de pessoas, são algumas sugestões dos deputados distritais ao Governo do Distrito Federal para combater a pandemia e evitar mais contaminação pelo coronavírus e mortes pela Covid-19. Durante a sessão da Câmara Legislativa desta terça-feira (17), realizada por videoconferência, os parlamentares também fizeram várias cobranças ao governador incluindo a compra de vacinas.

“Vacina é vida. Por isso, há um apelo aos governadores e prefeitos para que adquiram os imunizantes, já que não temos presidente”, afirmou o deputado Chico Vigilante (PT), classificando a situação como “triste e grave”. Por sua vez, Delmasso (Republicanos), que preside a Comissão da Vacina da União Nacional dos Legislativo Estaduais (Unale), relatando visita à Anvisa, disse que todos devem confiar na agência de vigilância sanitária e reforçou que está garantida a segurança dos dois fármacos que têm sido aplicados na população brasileira.

Para Arlete Sampaio (PT), a atual conjuntura é “dramática” enquanto a vacinação prossegue a passos lentos. “Em meio a tudo isso, temos mais uma troca de ministro que resultou de uma trapalhada”, comentou, destacando ameaças à médica Ludmila Hajjar ao mesmo tempo em que esta era cotada para ocupar a pasta da Saúde nacional. Já o deputado Agaciel Maia (PL) insistiu: “É só comprar vacina e vacinar, o resto é conversa paralela”, referindo-se aos “erros” e ao “festival de besteiras” que tem sido ditas, segundo ele, por pessoas que não têm conhecimento e nem competência.

Isolamento de verdade

Na avaliação de Leandro Grass (Rede), “o Distrito Federal tinha tudo para ser exemplo nacional e internacional de combate à pandemia”. Mas, segundo o distrital “as muitas mentiras do governador” resultaram na atual realidade do setor de saúde. “Decrete isolamento social de verdade, abra o cofre, conceda auxílio à população e compre vacina”, propugnou.

Por outro lado, a deputada Júlia Lucy (Novo) defendeu as medidas de isolamento tomadas pelo governador de Minas Gerais, do seu partido. Para ela, as restrições mais severas anunciadas naquele estado “estão lastreadas em dados e, por isso, haverá uma reação diferente da população”, em contraponto ao decreto de Ibaneis Rocha, “que não está funcionando, por não ter contado com a adesão dos brasilienses, e a situação está só piorando”.

Já o deputado Fábio Felix (Psol), observando os dados do sistema de informações sobre a pandemia no DF, salientou, naquele momento, que a lotação das UTI passava de 96%, enquanto 325 pessoas aguardavam na fila, sendo 239 com Covid-19. “Dava para o GDF prever aonde íamos chegar, mapeando o caminho para o colapso nacional do sistema de saúde. Por esse motivo, temos de cobrar mais. São necessárias medidas rígidas imediatas para conter o espalhamento do vírus”, declarou.

Prioridades na vacinação

Além de defender as ações de Ibaneis Rocha no combate da pandemia, o líder do governo na Câmara Legislativa, deputado Hermeto (MDB), pediu uma reflexão sobre as prioridades na vacinação. Na análise do distrital, justifica-se incluir policiais militares e bombeiros nesse rol. “Vários PMs perderam a vida nos últimos dias. Podiam considerar, pelo menos, os que fazem trabalho nas ruas”, acrescentou. Enquanto o deputado Iolando (PSC) solicitou a entrada dos conselheiros tutelares e dentistas na relação.

Sobre este assunto, Jorge Vianna (Podemos) informou que o Ministério da Saúde emitiu circular para as regionais de saúde de todo o país recomendando uma lista de prioridades a ser observada. “Se não houver um comando nacional nessa hora, vai ser cada um de um jeito e o povo no chumbo cruzado”, comparou. Ele ainda informou sobre a publicação, nesta data, da Lei nº 6.814/2020, de sua autoria, que garante um local de descanso para os trabalhadores da área de enfermagem nos hospitais particulares.

Marco Túlio Alencar
​​​​​​​Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF
​​​​​​​Núcleo de Jornalismo – Câmara Legislativa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
16 × 24 =