“Desde criança, as pessoas aprendem a comer pequi, que tem uma importância cultural, econômica e afetiva muito maior para os goianos”, afirmou a especialista

Em Goiás, tanto a produção quanto o consumo é em todo o território, em todas as regiões. Desde criança, as pessoas aprendem a comer pequi, que tem uma importância cultural, econômica e afetiva muito maior para os goianos”

O argumento foi exposto em reportagem na edição do último final de semana, publicada sábado (13), do Jornal O Popular

Após polêmica envolvendo disputa pelo pequi entre mineiros e goianos, a pesquisadora da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Elainy Botelho, defendeu que Goiânia deve ser oficialmente considerada a capital do fruto. O argumento foi exposto em reportagem na edição do último final de semana, publicada sábado (13), do Jornal O Popular.

“Em Minas Gerais, a produção e a tradição são localizadas na região de Montes Claros. Em Goiás, tanto a produção quanto o consumo é em todo o território, em todas as regiões. Desde criança, as pessoas aprendem a comer pequi, que tem uma importância cultural, econômica e afetiva muito maior para os goianos”, afirmou a especialista ao jornal.

O pequi é um fruto típico do cerrado | Foto: João de Melo/Empaer

O pequi é um fruto típico do cerrado | Foto: João de Melo/Empaer

Botelho é responsável por coordenar uma pesquisa de melhoramento genético, clonagem e seleção de diferentes genótipos de pequi, na Estação Experimental Nativas do Cerrado. O objetivo do trabalho é disponibilizar variedades mais produtivas e de melhor qualidade aos agricultores do Estado. A expectativa, conforme aponta a reportagem, é que o volume da produção goiana de pequi aumente com as pesquisas de melhoramento.

Confira a matéria aqui

Fonte: Emater-GO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
13 ⁄ 1 =