Lira favorito

Tudo indica que o candidato de Rodrigo Maia a presidência da Câmara, Baleia Rossi (MDB), está em desvantagem em relação a Arthur Lira (PP-AL), candidato de Jair Bolsonaro. O que não se pode calcular até o momento é o tamanho da taxa de traição de ambos os lados com o voto secreto. Uma leva de mais de 15 deputados do DEM devem formalizar apoio a Lira na sexta-feira. Em relação ao DF, Lira já tem a maioria da bancada, pois conta com o apoio de Celina Leão, Júlio Cesar, Luis Miranda, Paula Belmonte, Bia Kicis e Flávia Arruda.

 

Leituras

Das muitas leituras que se fazem sobre a consequência possível vitória de Arthur Lira para a presidência da Câmara é a de que o presidente Jair Bolsonaro vai se transformar em refém do Centrão. Um integrante da ala ideológica é curto e grosso: “Aí o Bolsonaro explode tudo”.

 

Celina nega

Pelas redes sociais a deputada federal Celina Leão (PP-DF) desmentiu qualquer sondagem para integrar o ministério do presidente Jair Bolsonaro. Ela acredita que a notícia de que iria para o Ministério dos Esportes foi “plantada por gente que quer semear a discórdia”. Na verdade, Celina é um nome muito lembrado para integrar uma chapa majoritária em 2022.

 

Perigo à vista

Alguns políticos com trânsito no Palácio do Planalto alertam que as investigações sobre o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, podem se transformar em motivo de muita tensão futura. A tese é a de que mesmo Bolsonaro vencendo as eleições na Câmara e no Senado, a situação pode sair do controle.  

 

Amazonas

Em relação a crise do Amazonas, o presidente Jair Bolsonaro garante que o governo “sempre fez sua parte, de acordo com a determinação do Supremo Tribunal Federal”. Pelo tamanho da crise, a impressão é a de que deu errado.

 

Golpistas

O livro “Tchau, Querida“, do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB), promete fazer uma correção de rumo na reputação e alguns políticos em relação ao impeachment de Dilma Roussef. Como dizem alguns petistas, o livro vai desmascarar os “verdadeiros” golpistas.

 

Tiro na pesquisa

O governo de Jair Bolsonaro não deixa de surpreender o país com suas medidas. Tanto que acaba de cortar 68,9% da cota de importação de equipamentos e insumos destinados à pesquisa científica. Um tiro direto contra o Instituto Butantan e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Assim, a cota para 2021 será de R$ 499,6 milhões, sendo que em 2020 a cota era de R$ 1,6 bilhão.

 

Performances

Mais uma vez a imprensa se surpreende com as performances “artísticas” de Jair Bolsonaro. Só que a impressão que se tem é de que o presidente continua governando apenas para os “desocupados do cercadinho” do Palácio da Alvorada.

 

Volta às aulas

Na próxima segunda-feira, o Sindicato dos Professores do DF faz uma nova reunião com o secretário de Educação, Leandro Cruz. O tem é a volta às aulas na rede pública de ensino, prevista para 8 de março. O tema é polêmico e ninguém no Brasil descobriu uma solução.

 

Feira do Guará

A crise chegou com força para os comerciantes da Feira do Guará. Tanto que 90% dos proprietários dos boxes estão inadimplentes com as taxas de manutenção. Alguma coisa precisa ser feita, pois a situação pode comprometer o futuro do importante centro comercial da cidade.

 

Demissão

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), demitiu o secretário de Cultura, Adriano Baldy, irmão do presidente regional do Progressista, Alexandre Baldy. Alguns políticos dizem que Caiado não gostou de ser cobrado por Alexandre para apoiar Arthur Lira para a presidência da Câmara dos Deputados.

 

Independente

O PSD de Goiás e o governo de Ronaldo Caiado não vão se entender. Tanto que o presidente da sigla, Vilmar Rocha, diz em alto e bom som: o PSD não tem diálogo e não vai participar do governo Caiado. Arremata dizendo que o PSD é independente. Até parece…

 

Carlos Honorato
pontofinal@carloshonorato.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
29 + 25 =