Crise anunciada

Como já era previsível por alguns, a Polícia Federal e o novo ministro da Justiça, Anderson Torres, não estão falando a mesma língua quanto ao real papel do DPF. Como publicou O Globo, o ministro tentará requisitar dados de investigações para supostamente atingir os governadores adversários do governo. Extra-oficialmente, o material teria como destino a tropa de choque do governo na CPI da Covid. Tal procedimento só poderia ser feito com pedido judicial como forma de preservar a independência da PF. Aliados do ministro acreditam que está havendo um erro de interpretação por parte dos delegados da PF.

Militares

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros, já deixou claro que a investigação não mira os militares, apesar do depoimento do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. Para evitar qualquer conflito, o relator pensa até em ter encontros com militares para esclarecer dúvidas. Só para lembrar, o número de militares dentro do governo hoje chega a mais de 6 mil.

Mandetta na CPI

O depoimento do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, amanhã, na CPI da Covid, vai se transformar em uma “guerra de narrativas”. O Palácio do Planalto está municiando a sua tropa de choque com perguntas “embaraçosas” para o ex-ministro responder. Já a oposição prepara explorar vários outros temas, inclusive o uso do tratamento precoce a base de cloroquina – defendido até hoje pelo presidente Bolsonaro -, que não serve para nada.

Lula em Brasília

O possível candidato do PT à Presidência da República em 2022, o ex-presidente Lula desembarca em Brasília cheio de boas intenções. Na bagagem tem até a luta por um auxílio emergencial de R$ 600, algo já descartado pelo governo. Só que o carro-chefe da visita é política – conversas com os caciques do MDB etc.

Pressão no STF

Parlamentares da direita – deputados e senadores – tentam encontrar uma forma de fazer do STF “uma corte boazinha”. Querem um tribunal que atenda as demandas do presidente da República, muitas fora da realidade democrática. As articulações estão apenas começando, mas vai gerar muita polêmica.

Dossiês fantasmas

Muitos políticos do DF poderão ser surpreendidos em breve por dossiês publicados em sites verdadeiros ou de existência rápida, apenas para dar vazão as supostas denúncias. Algumas fontes dizem que certas denúncias devem ser verdadeiras outras não. Em sendo verdade, tudo pode virar caso de polícia. Afinal de contas, fake news é crime.

Dengue

A força-tarefa criada para o combate à dengue no DF foi um sucesso. Tanto que os casos de dengue tiveram uma redução de 81,6% em comparação aos quatro primeiros meses do ano passado.

Vacinação

Com 11 milhões de vacinas recebidas, o Brasil pode melhorar bem a realidade da vacinação. Segundo alguns pesquisadores, o país precisa de algo em torno de 1,5 milhão de doses diárias para concluir a vacinação dos grupos prioritários de 80,5 milhão pessoas.

“Desempregados”

O Brasil tem hoje um “exército” de 5,9 milhões de desempregados que estão fora das estatísticas oficiais. O número é um recorde da chamada série histórica da Pnad Contínua, que começou em 2012.

Sem diálogo

Campeão de votos nas eleições municipais, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (MDB-GO), não tem no radar a retomada de diálogo do MDB com o grupo do prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos). Exageros à parte, fala-se que a Prefeitura de Goiânia hoje é uma espécie de “franquia” da Igreja Universal e o prefeito apenas cumpriria ordens. Algo meio surreal.

 

Carlos Honorato
pontofinal@carloshonorato.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
16 − 14 =