Avaliação servirá para que os prefeitos tomem providências diferenciadas nos três casos definidos: ‘Alerta’, ‘Crítico’ e ‘Calamidade’

As regiões mais críticas hoje são Vale do São Patrício, Oeste I, que abrange o Rio Vermelho, Estrada de Ferro, Entorno Sul do DF e por isso mesmo merecem medidas mais enérgicas dos gestores municipais e que estão na Nota Técnica.

O secretário de Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino, explanou sobre os aspectos da Nota Técnica editada pela SES-GO, instituindo os status de ‘Alerta’, ‘Crítico’ e ‘Calamidade’, para as 18 regiões goianas, de acordo com as condições de contágio e proliferação da Covid-19, em entrevista nesta quarta-feira, dia 17, ao TBC 1 da TV Brasil Central.

“A nota técnica tem um aspecto atemporal, porque ela vai categorizar municípios e regiões com alguns critérios específicos, de forma que o gestor municipal, já que é ele que tem autonomia, segundo o STF, possa adotar as medidas de acordo com o status da sua região”, observou Alexandrino. A avaliação desse status será feita e divulgada semanalmente.

Segundo ele, as regiões mais críticas hoje são Vale do São Patrício, Oeste I, que abrange o Rio Vermelho, Estrada de Ferro, Entorno Sul do DF e por isso mesmo merecem medidas mais enérgicas dos gestores municipais e que estão na Nota Técnica.

“Olhamos o Estado todo, verificando as peculiaridades de cada região, não se configurando como uma ação linear. Assim, atendemos a capacidade de atenção à saúde quanto à velocidade de transmissão. Via de regra, vale para a população em geral, porque estamos em franca expansão da segunda onda. Temos várias cepas identificadas, diferentes da primeira onda, e que são mais transmissíveis”, explicou.

Vacinação

Mesmo com a vacinação já iniciada, em algumas cidades já na segunda fase, o quantitativo de pessoas imunizadas ainda é baixo, avaliou o secretário. Preocupado com o atendimento aos pacientes da Covid, na atual gestão, o governador Ronaldo Caiado já abriu oito hospitais, entre estadualização e abertura, “saímos de 239 leitos para mais de 600 leitos de UTI. Todas as macrorregiões de saúde de Goiás têm leitos de UTI, foram adquiridos equipamentos, contratadas pessoas e reformados ambientes”, informou.

Para Alexandrino, a população não pode cair na fala simplista de que é só abrir leitos. “Não é. Temos 7 milhões e 200 mil goianos. Jamais serão abertos 7 milhões e 200 mil leitos. Precisamos de fato frear a contaminação”, assegurou.

Informou também que o sistema identifica a situação da pandemia na região, independente da vontade do prefeito. “Esses dados são fornecidos pelos profissionais de saúde à medida que os atendimentos vão acontecendo e que os exames vão sendo feitos. Aí vão alimentando nosso sistema e mostrando esse desenho. Então é importante que instituições privadas e públicas atualizem os seus dados, porque se não fizerem pode colocar a situação do seu município num nível mais grave”, alertou o secretário Ismael Alexandrino.

O governador Ronaldo Caiado fez uma live hoje com os prefeitos e informou que tem gente que não está indo tomar a segunda dose da vacina. “A gente faz um apelo para que essas pessoas tomem a segunda dose, as unidades têm a vacina. A pessoa só terá a garantia da imunidade se tiver tomado as duas doses. A primeira dose desperta o sistema imunológico, mas o reforço vem com a segunda dose”, afirmou, acrescentando que foi informado que o governo federal fechou a aquisição de mais 54 milhões de doses do Instituto Butantan, mas que ainda não estão prontas.

“A informação mais atual é de uma entrega de 160 mil doses provavelmente no dia 24 de fevereiro ao Estado de Goiás” assegurou, observando que o mapa das regiões será divulgado semanalmente, com as modificações por região, “e será publicado no site da Secretaria de Saúde e servirá como balizador para o gestor municipal, para o Ministério Público, a população e para todos que têm a ver com o processo, para que tomem os devidos cuidados”.

Controle

Para guiar as ações voltadas para gestão de serviços e controle de contágio, será considerada uma divisão de 18 regiões no Estado. Semanalmente, a avaliação da SES-GO vai estratificar os locais conforme três estágios de situação: alerta, crítica e calamidade. Quando classificada em situação de alerta, é permitido à região o funcionamento de todas as atividades, exceto eventos com mais de 150 pessoas.

A estratificação em situação crítica requer redução na capacidade de atendimento em atividades de alto risco de contaminação como bares e instituições religiosas, ambos passam a ter permissão para ocupar 30% da capacidade. Já atividades de baixo risco, como salões de beleza, barbearias, shoppings e centros comerciais ficam com o limite de 50% de utilização. Eventos, transporte coletivo e outros setores terão restrições específicas.

Já para os casos de calamidade, o entendimento das autoridades em saúde é que haja a interrupção de todas as atividades, exceto supermercados e congêneres, farmácias, postos de combustível e serviços de urgência e emergência em saúde. A nota técnica define ainda que, caso seja observado piora nos indicadores, cada região manterá as medidas restritivas respectivas a cada situação por pelo menos 14 dias.

Nota Técnica

As recomendações gerais da Nota Técnica 01/2021 SES-GO reforçam orientações preconizadas desde o início da pandemia sobre o uso da máscara “independente do local a ser frequentado”, a higienização das mãos com álcool 70% e a manutenção do distanciamento mínimo de dois metros entre as pessoas.

As instituições religiosas que estiverem autorizadas a funcionar devem limitar e programar a entrada de pessoas a fim de garantir uma ocupação limitada entre 50% (situação de alerta) e 30% (situação crítica) de sua capacidade, obedecendo a classificação da situação da pandemia.

Os bares e restaurantes, quando for permitido atendimento a clientes de forma presencial, devem manter a lotação máxima de 50% (situação alerta) e 30% (situação crítica) de sua capacidade de acomodação. A nota técnica mantém a proibição de comércio e consumo de bebida alcoólica entre 22h e 6h em todo o Estado e recomenda que lojas de conveniência e distribuidoras de bebidas encerrem suas atividades durante este horário. Após as 22h, os serviços de alimentação devem funcionar apenas com entregas.

Já academias e quadras esportivas podem abrir com limite de 50% da capacidade, porém devem observar as medidas de prevenção e controle da Covid-19. Às funerárias, a recomendação é manter a proibição de velórios quando há suspeita ou confirmação da doença. Nos casos de pessoas que faleceram por outras causas, o velório pode ocorrer com, no máximo, dez pessoas simultâneas para não haver aglomerações.

Salões de beleza e barbearias podem atender com hora marcada e dentro do limite de 50% de sua capacidade. Os eventos só podem ser realizados até o limite de 150 pessoas, respeitando a recomendação de ocupação de 50% da capacidade do espaço. Empresas e escritórios devem, quando for possível, adotar o regime de trabalho remoto, escalas, revezamento e alteração de jornadas de trabalho para reduzir fluxo, contato e aglomerações de trabalhadores.

Outro ponto tratado na nota técnica é o transporte coletivo. A recomendação é não exceder a capacidade de passageiros sentados. O escalonamento de horários de expediente também está previsto para minimizar o quantitativo de usuários nos horários de pico.  O funcionamento das escolas permanece sob deliberação do Centro de Operações de Emergências (COE) em Saúde Pública de Goiás.

ABC Digital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
6 + 9 =