População protesta contra a corrupção e a ineficiência dos governantes em um país imerso em uma profunda crise institucional

RESUMINDO A NOTÍCIA

  • Centenas de pessoas ocupam o Parlamento iraquiano pelo segundo dia consecutivo.
  • População protesta contra a corrupção e a ineficiência dos governantes em um país em crise.
  • Quase dez meses após as eleições de outubro, Iraque ainda não tem um novo governo.
  • Estopim foi a nomeação de Mohammed Shia al-Sudani para o cargo de primeiro-ministro.
Voluntários distribuíram sopa, ovos cozidos, pão e água aos manifestantes

KHALID AL-MOUSILY/REUTERS – 31.7.2022

Centenas de simpatizantes do influente líder político xiita Moqtada Sadr ocupavam, neste domingo (31), o Parlamento iraquiano, pelo segundo dia consecutivo, em protesto contra a corrupção e a ineficiência dos governantes em um país imerso em uma profunda crise institucional.

Apesar do gás lacrimogêneo, canhões d’água e altas temperaturas que chegavam a 47ºC, os manifestantes invadiram o hemiciclo no sábado depois de derrubar as barricadas de concreto nos acessos à chamada Zona Verde, a área mais protegida de Bagdá, onde instituições e embaixadas estão localizadas.

Quase dez meses após as eleições de outubro, o Iraque ainda não tem um novo governo.

Sadr, um clérigo que já liderou uma milícia contra as forças do governo iraquiano e os militares dos Estados Unidos, usa os protestos para sinalizar que suas opiniões devem ser levadas em consideração na formação do novo governo, segundo analistas.

O estopim para a ocupação foi a decisão do bloco xiita, de tendência pró-iraniana, de nomear o ex-ministro do Executivo Mohammed Shia al-Sudani para o cargo de primeiro-ministro.

Esta manhã, os manifestantes comemoraram o mês muçulmano do Muharram, uma celebração tradicional xiita, com cantos religiosos e grandes refeições comunitárias.

“Esperávamos o melhor, mas tivemos o pior. Os políticos que estão atualmente no Parlamento não nos trouxeram nada”, disse um dos manifestantes, Abdelwahab al-Jaafari, de 45 anos.

Voluntários distribuíram sopa, ovos cozidos, pão e água aos manifestantes.

Alguns passaram a noite dentro do prédio com ar-condicionado, que data da época do ditador Saddam Hussein, com cobertores estendidos no chão de mármore.

Outros saíram para os jardins, onde se deitaram em esteiras de plástico sob as palmeiras.

Em um Iraque multiétnico, formar um governo envolve negociações complexas desde que a invasão liderada pelos Estados Unidos em 2003 derrubou Saddam Hussein.

A bancada de Sadr emergiu das eleições de outubro como a facção parlamentar mais importante, mas longe da maioria.

Em junho, seus 73 parlamentares renunciaram na tentativa de pressionar por um novo governo. Ainda assim, nenhum acordo foi alcançado para nomear um chefe de gabinete.

Apesar da riqueza do petróleo, o Iraque continua a ser atormentado pela corrupção e pelo desemprego, entre muitos outros problemas, provocando um movimento de protesto liderado por jovens em 2019.

Como resultado de acordos anteriores, os sadristas também têm representantes nos mais altos níveis dos ministérios do governo e foram acusados por seus adversários de serem tão corruptos quanto outras forças políticas.

Mas os manifestantes veem em Sadr um líder que combate a corrupção.

Oum Hussein, uma mulher de 42 anos, disse que a contestação buscava um governo de “pessoas com integridade que sirvam ao país” e acusou os oponentes de Sadr de escolherem figuras políticas “conhecidas pela corrupção”.

Sudani foi indicado para primeiro-ministro pela aliança do Quadro de Coordenação, que inclui legisladores do partido do ex-primeiro-ministro Nouri al-Maliki.

Tanto as Nações Unidas quanto a União Europeia alertaram para a escalada das tensões.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu “diálogo pacífico e inclusivo” para formar um governo nacional eficaz, enquanto a UE defendeu negociações construtivas.

Além disso, as autoridades curdas iraquianas no norte do país se ofereceram para mediar conversas em sua capital, Erbil.

Milhares de apoiadores do líder político xiita Moqtada al-Sadr voltaram a ocupar o Parlamento do Iraque neste sábado (30), ação que planejam manter até novo aviso, após um dia de protestos no país, mergulhado em crise política

Os manifestantes agitavam bandeiras iraquianas e retratos de Sadr dentro do prédio, enquanto milhares de pessoas protestavam do lado de fora, segundo um jornalista da AFP. No hemiciclo, caminhavam fazendo o sinal da vitória e tirando selfies

A crise política no Iraque é total, à espera da nomeação de um novo presidente e um primeiro-ministro, dez meses após as eleições legislativas de outubro de 2021. Al-Sadr lançou uma campanha de pressão máxima contra seus adversários, rejeitando o candidato ao cargo de chefe de governo

Três dias após terem ocupado brevemente o Parlamento, os manifestantes anunciaram 'um protesto sentado até novo aviso', de acordo com um comunicado da corrente pró-Sadr

O presidente do Parlamento, Mohamed al-Halbusi, anunciou a suspensão das sessões parlamentares e pediu aos manifestantes que 'preservem a propriedade do Estado'

Os apoiadores de al-Sadr se reuniram neste sábado no centro de Bagdá para denunciar a candidatura ao cargo de primeiro-ministro de Mohamed Chia al-Sudani, considerado próximo do ex-chefe de governo Nuri al-Maliki 

Antecipando o protesto, as forças de segurança fecharam vários acessos importantes da capital que levam à zona verde, onde estão localizadas instituições governamentais e embaixadas

Os agentes usaram gás lacrimogêneo e canhões d'água, que não impediram os manifestantes de acessar as instalações do Parlamento

.

 

  • Fonte: INTERNACIONAL | por AFP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
10 + 6 =