Brasília Agora

Em 10 dias, mais de 236 mil pessoas já se vacinaram contra gripe

Em 10 dias, mais de 236 mil pessoas já se vacinaram contra gripe

Vacina está disponível em 100 unidades básicas de saúde; médicos e especialistas alertam para a importância da prevenção

A campanha de vacinação contra a influenza continua no Distrito Federal. Desde o dia 11 de maio, já foram aplicadas 236.504 doses da vacina na capital da República. O público-alvo nessa fase da vacinação são os professores de escolas públicas e privadas e os idosos com 60 anos ou mais.

As duas categorias prioritárias já podem buscar uma das cem unidades básicas de saúde (UBSs) para receber a dose da vacina. O imunizante também segue disponível para trabalhadores da saúde, gestantes e puérperas, povos indígenas e crianças de seis meses a menores de seis anos.

A vacinação pode reduzir as sobrecargas nos sistemas de saúde e contribuir com a prevenção de possíveis novos surtos de doenças respiratórias pelo vírus da influenza | Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

A meta preconizada pelo Ministério da Saúde é vacinar 90% do público-alvo, estimado em 1.117.656 pessoas. Assim como a covid-19, a infecção pelo vírus da influenza também pode levar o indivíduo a desenvolver as formas graves da doença, ser internado em hospital e, dependendo da gravidade, ir a óbito. A Secretaria de Saúde orienta aos integrantes do grupo de risco que procurem as salas de vacina e vacinem-se o quanto antes.

“Influenza é uma doença respiratória que, assim como a covid-19, também leva a internações e complicações à saúde. Reforço a necessidade de quem está no grupo elegível para vacinação que procure uma unidade de saúde e vacine-se”Fernanda Ledes, enfermeira da área técnica de imunização da Secretaria de Saúde

Enfermeira da área técnica de imunização da Secretaria de Saúde, Fernanda Ledes, destaca a importância das medidas de prevenção contra a influenza. “Em um cenário de saturação dos serviços de saúde, tendo em vista o aumento no número de casos de covid-19, a vacinação contra a influenza assume particular relevância para proteger populações vulneráveis com risco de desenvolver formas graves da doença, bem como reduzir o impacto das complicações respiratórias atribuídas à influenza na população”, aponta.

Além disso, ela ressalta que a vacinação da população-alvo pode reduzir as sobrecargas nos sistemas de saúde e contribuir com a prevenção de possíveis novos surtos de doenças respiratórias pelo vírus da influenza.

Vacinas 

A enfermeira Fernanda Ledes destaca, ainda, que aqueles que receberam a primeira ou segunda dose da vacina contra a covid-19 devem aguardar um prazo mínimo de 14 dias para se vacinar contra a gripe. A orientação, segundo ela, é que as pessoas que são público-alvo da vacina contra o coronavírus priorizem receber esse imunizante, aguardem 14 dias e façam a da gripe.

Caso não esteja na sua vez de vacinar contra a covid-19, a recomendação é fazer a vacina contra a influenza, esperar o intervalo mínimo e começar o esquema da vacina contra o coronavírus assim que chegar sua vez. “Influenza é uma doença respiratória que, assim como a covid-19, também leva a internações e complicações à saúde. Então eu reforço a necessidade de quem está no grupo elegível para vacinação que procure uma unidade de saúde e vacine-se”, indicou.

Influenza

A Influenza é uma infecção respiratória aguda, causada pelos vírus de mesmo nome nos tipos A, B, C e D. O tipo A está associado a epidemias e pandemias e tem comportamento sazonal. De acordo com estudos médicos, essa classificação apresenta aumento no número de casos entre as estações climáticas mais frias.

A vacina garante proteção contra os vírus influenza A H1N1 e H3N2, e B. Ela é contraindicada para crianças menores de seis meses de idade e pessoas com história de anafilaxia (reação alérgica grave) a doses anteriores, que apresentam contraindicação a doses subsequentes. Contudo, na maioria dos casos, as vacinas contra influenza têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas.

*Com informações da Secretaria de Saúde