Objetivo da mudança é facilitar a vida dos microempreendedores individuais. Hoje em dia, cada cidade possui uma regra diferente de emissão

A partir de 1º de janeiro de 2023, mais de 13 milhões de Microempreendedores Individuais (MEI) que atuam prestando serviços passarão a emitir a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) através do Portal do Simples Nacional.

Foto: Divulgação

O objetivo da mudança é facilitar a vida dos microempreendedores, pois hoje em dia cada município conta com uma regra diferente para a emissão do documento.

“Vai ter muito mais facilidade. Cada município tem sua regulamentação. Há município que permite a emissão de nota online, avulsa, muitos exigem cadastro prévio ou certificado digital, outros não têm nenhuma regulamentação”, diz Silas Santiago, gerente de políticas públicas do Sebrae.

A princípio, a NFS-e não deverá ser utilizada para comercialização de serviços e mercadorias que trazem o ICMS no cálculo. No entanto, essa ideia ainda pode passar a valer, mas apenas a partir de abril do próximo ano.

Emissão de nota fiscal pelo MEI

A emissão de nota fiscal pelo microempreendedor individual vai exigir o preenchimento de alguns dos seguintes dados: CNPJ do tomador ou número do CPF, tipo de serviço e o valor cobrado por ele.

Depois da emissão, o cliente então será informado via notificação de celular sobre o documento. Ao tocar na mensagem, ele poderá acessar todas as NFS-e recebidas.

Hoje em dia, o MEI é obrigado a emitir nota fiscal quando o serviço prestado tem como destino empresas. No caso de pessoas físicas, a emissão é facultativa. Essa regra, vale destacar, foi mantida.

Acesso por dispositivos móveis

Conforme estabelece a resolução do Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN), publicada no Diário Oficial da União no dia 29 de julho, a opção de emitir a nota fiscal eletrônica também deverá ficar disponível via aplicativo para dispositivos móveis, bem como por por serviço de comunicação do tipo Interface de Programação de Aplicativos (API).

Além disso, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), assim que o MEI emitir a NFS-e, ele ficará dispensado da Declaração Eletrônica de Serviços, além do ISS, como é chamado o documento fiscal municipal referente a uma mesma prestação ou operação.

“A NFS-e do MEI terá validade em todo o país e será suficiente para fundamentação e constituição do crédito tributário, além de dispensar certificação digital para autenticação e assinatura do documento emitido”, completou o Sebrae.

 

Fonte: Por

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
26 ⁄ 13 =