Vacina e câncer

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nos EUA que em dois meses o Brasil vai passar a ajudar na vacinação de países vizinhos. Uma bela atitude, mas que tal o governo dar uma remodelada geral no tratamento de pessoas com câncer? Tem pacientes esperando até seis meses para fazer exames e muitos terminam morrendo. Só para lembrar, o Brasil registra algo em torno de 580 mil casos de câncer por ano. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT), 5 mil pessoas morrem por não conseguirem tratamento. Números de 2019 mostram que 130 mil pessoas sequer conseguiram atendimento.  A situação é gravíssima e exige providências urgentes. Que tal os políticos começarem a refletir sobre o assunto e olharem um pouco para a população?

Boa marca

Apesar do negacionismo do presidente da República, o Brasil já bateu a marca de 100 milhões de pessoas totalmente vacinadas contra a covid-19. Uma reposta positiva da população a necessidade da vacinação. A atitude mostra também uma melhora positiva no cenário da pandemia. Pelos números do Ministério da Saúde, mais de 150 milhões de pessoas já receberam a primeira dose da vacina. Se ninguém atrapalhar os números devem melhorar ainda mais.

Alcolumbre e Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Davi Alcolumbre, deverão se reunir nos próximos dias. A “forcinha” para o encontro é do senador Flávio Bolsonaro. O episódio da sabatina do indicado para o STF, André Mendonça, caminha para o fim. Três meses é tempo exagerado para se marcar uma sabatina. O pior é que Alcolumbre sabe que o nome de Mendonça será aprovado.

Petrobras

O balão de ensaio lançado pelo presidente Jair Bolsonaro sobre uma possível privatização da Petrobras deixou muita gente preocupado. É que o ministro da Economia, Paulo Guedes, já levantou tal possibilidade. Bolsonaristas dizem que se o presidente for reeleito o assunto pode entrar na pauta do novo governo. O tema é pesado.

No futuro

Rápido no gatilho, o vice-presidente, Hamilton Mourão, é o primeiro a concordar com a ideia de Bolsonaro de privatizar a Petrobras. Só que no “futuro”. Segundo Mourão, a Petrobras precisa ser colocada no mercado de forma a romper a estrutura de monopólio, o que prejudica o país.

“Falso milagre”

O projeto de mudança na cobrança do ICMS – chamado por alguns de “falso milagre” – sobre os combustíveis saiu da cabeça do presidente Jair Bolsonaro e foi encampado pelo “bolsonarista” e presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O parlamentar defende o projeto com “esmero”.

Grilagem etc

Uma reportagem do jornal El País mostra que terras de índios isolados podem perder a proteção legal da Funai e a cair nas mãos de invasores. E dentro de tal empreitada estão mineradoras, grileiros e outros grupos.  Uma delas tem 94% da área com pedido de cadastro rural, o primeiro passo para a liberação – e dizem com apoio dos órgãos de fiscalização que fazem vista grossa – da grilagem e do desmatamento.

Detran

Se depender das reclamações recebidas pelo gabinete do deputado Chico Vigilante o Detran-DF vive uma situação bem confusa. As reclamações vão desde agendamento de serviços para cidades distantes dos domicílios etc. Hora da direção fazer uma checagem sobre a eficiência atual dos serviços.

Regulamentação

O Distrito Federal já viveu períodos complicados com as chamadas invasões e o demorado processo de regularização. Tudo isso mudou. Tanto que o GDF começa a regulamentar os procedimentos para titulação de 65 mil lotes em assentamentos.

Caiado X Perillo

Pelo Twitter, o ex-governador tucano de Goiás, Marconi Perillo, responde o atual governador Ronald Caiado em relação a Celg. Perillo diz que a empresa foi privatizada pelo governo federal, que era o controlar na época. Caiado disse que a Celg foi vendida pelo governo do Goiás por um preço baixo.

 

Carlos Honorato
pontofinal@carloshonorato.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
18 ⁄ 9 =